Deriva continental

A teoria da deriva continental foi proposta em 1912 pelo cientista alemão Alfred Wegener. Dizia que há milhões de anos havia um só continente chamado Pangeia, que era cercado por um só oceano denominado Pantalassa.

Um dos argumentos mais fortes de Wegener para justificar a deriva continental era que as bordas dos continentes têm formas que se encaixam.

Para defender sua teoria, mostrou que as formações rochosas de dois lados do oceano Atlântico - no Brasil e na África Ocidental - coincidem em idade, tipo e estrutura. Além disso, costuma conter fósseis de criaturas terrestres que não poderiam ter nadado de um continente ao outro.

Em tempos anteriores à teoria da deriva continental, surgiram outras teorias propostas por cientistas que também perceberam o fato, mas não obtiveram êxito em suas descobertas, pois essas não repercutiram.

Segundo a Deriva Continental, a Pangeia teria se rompido vagarosamente, dividindo-se (há aproximadamente 200 milhões de anos) em dois continentes denominados Laurásia, localizado ao norte, e Gondwana, localizado ao sul.

Como consequência destes rompimentos, os oceanos também sofreram divisão, obedecendo as transformações provocadas pelas massas dos novos continentes. Em seguida, novas divisões aconteceram, até chegarmos ao formato atual.

Atualmente, a hipótese da deriva continental tornou-se parte de uma teoria maior, a teoria da tectônica de placas.

  

Como referenciar: "Deriva continental" em Só Geografia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2019. Consultado em 18/07/2019 às 12:13. Disponível na Internet em http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaFisica/Fenomenos/deriva.php