História da Região Centro-Oeste do Brasil

Durante os séculos XVI, XVII e XVIII, com o objetivo de descobrir ouro e pedras preciosas, os bandeirantes, partindo da vila de São Paulo, deram início à ocupação da Região Centro-Oeste, que antes era uma área praticamente esquecida pelos colonizadores.

As cidades de Cuiabá, Rosário do Oeste, Diamantino e Paconé no Mato Grosso, e Goiás, Luziânia, Rio Verde e Jaraguá no estado de Goiás, surgiram com a mineração.


Pontos históricos no centro de Cuiabá: Praça 15 de Novembro, Museu Histórico do Mato Grosso, Palácio da Instrução e Catedral

Fortificações militares deram origem à cidade de Corumbá no Mato Grosso do Sul e Cárceres no estado de Mato Grosso.


Forte de Corumbá, às margens do rio Paraguai

Em 1890, o militar Marechal Cândido Rondon, nascido em Mato Grosso, de origem indígena, comandou a construção de uma linha telegráfica entre Cuiabá e a região do Rio Araguaia, que posteriormente foi estendida até Goiás.

Em 1914, foi inaugurada a Ferrovia Novoeste, que saindo de Bauru (SP) chega até Corumbá no Mato Grosso do Sul.

 
Mapa da linha férrea Ferrovia Novoeste, ligando São Paulo a Corumbá

Goiânia, a capital de Goiás, projetada e construída para abrigar uma população de 50 mil pessoas, foi fundada no ano de 1937. Para estimular o crescimento da Região Centro-Oeste, em 1940, o governo federal criou duas áreas de colonização: a Colônia Dourados, ao sul de Campo Grande, e a Colônia de Goiás, ao norte de Goiânia.


Registro fotográfico dos primeiros colonos em Dourados

A inauguração de Brasília, a capital do país, no ano de 1960, pelo presidente Juscelino Kubitschek, atraiu para a região migrantes de todo o Brasil.


Registro fotográfico da inauguração de Brasília/DF

  

Como referenciar: "História da Região Centro-Oeste do Brasil" em Só Geografia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2020. Consultado em 07/08/2020 às 05:44. Disponível na Internet em http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaFisica/Brasil/regiaocentrooeste_historia.php

Divirta-se com o LOBIS HOMEM

Produtos de quando CORONA era motivo de alegria

Sofrendo com a língua portuguesa