Você está em Geografia humana > População

Estrutura da população

Avalia-se a estrutura da população através da sua distribuição etária, condição socioeconômica e sua posição no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano).

Em relação aos critérios de avaliação dos países, desde 1950 até o final da década de 1980, a classificação comum era aquela que enquadrava os países da seguinte forma:

  • 1º mundo: países capitalistas desenvolvidos;
  • 2º mundo: países socialistas de economia planificada;
  • 3º mundo: países subdesenvolvidos.

Acontecimentos na geopolítica internacional, como a queda do Muro de Berlim, fim da Guerra Fria, ressurgimento da Europa como potência econômica e o fim da experiência socialista soviética, marcam uma nova disposição da ordem mundial, em que se menciona o mundo multipolar e a globalização da economia.

A partir daí, tornou-se necessário um novo entendimento para classificar os países. A ONU passou a utilizar o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), que tem por objetivo avaliar a qualidade de vida através de alguns critérios:

  • Expectativa de vida;
  • Renda per capita;
  • Grau de instrução.

O IDH avalia e aplica uma nota que varia de 0 a 1. Quanto mais próximo do 1, melhor o IDH de uma país, ou de uma região. Veremos mais informações sobre o IDH nos próximos tópicos.


IDH no mundo

Estrutura etária

A estrutura etária de uma população costuma ser dividida em três faixas:

  • Jovens, que são do nascimento até 19 anos;
  • Adultos, dos 20 anos até 59 anos;
  • Idosos, que vai dos 60 anos em diante.

A estrutura etária de uma população não se divide apenas nas três faixas (jovens, adultos, idosos), pode-se também dividir a população através de um gráfico denominado pirâmide etária. Esse gráfico não informa apenas sobre a faixa etária, mas também sobre a proporção dos sexos em cada idade.


Ilustração modelo de pirâmide etária

Países subdesenvolvidos

A pirâmide apresenta uma base larga em função da alta densidade de natalidade. O estreitamento é rápido em decorrência da mortalidade. A altura da pirâmide e a largura da extremidade superior indica que poucas pessoas chegam à velhice (o que é explicado pelo baixo padrão de vida).

O contorno nos mostra ainda que há predominância de jovens. A explosão demográfica é um fenômeno comum aos países cujas estruturas etárias podem ser representadas pela figura deste modelo. Exemplos: Indonésia, Etiópia, etc.


Exemplo de pirâmide para países subdesenvolvidos

Países de população envelhecida

A base bem mais estreita, comparada com outras figuras, indica um crescimento reduzido ou negativo há muito tempo (países da evolução industrial antiga). A extremidade oposta a base indica a percentagem bastante alta de idosos (indicativo de excelente padrão de vida). Exemplos: europeus, japoneses, etc.


Exemplo de pirâmide para países de população envelhecida

Países em fase de envelhecimento

Pode-se apresentar a estrutura etária dos países que realizaram industrialização após os europeus. Predominam os adultos, portanto, os ativos. Em alguns países, embora o aumento do padrão de vida não tenha sido significativo para a maioria da população, a classe média, por questões econômicas, tem optado por uma menor quantidade de filhos para tentar manter a qualidade de vida.


Exemplo de pirâmide para países em fase de envelhecimento

A pirâmide etária do Brasil tem sua base larga e vai estreitando-se até atingir o topo. Isso significa que o numero de idosos é relativamente pequeno. O gráfico do Brasil demonstra que, mesmo com todo o crescimento, continuamos a ser um país jovem, pois no caso dos países mais desenvolvidos, a base da pirâmide costuma ser menos larga e o topo mais amplo.


Pirâmide etária do Brasil – dados do censo IBGE 2010

  

Como referenciar: "Estrutura da população" em Só Geografia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2019. Consultado em 19/01/2019 às 14:25. Disponível na Internet em http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaHumana/Populacao/populacao6.php