Urbanização no Brasil

Já sabemos que a urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior ao crescimento da população rural.

A urbanização no Brasil teve seu início na década de 1950, a partir do processo de industrialização, que funcionou como um dos fatores fundamentais para o deslocamento da população da área rural (êxodo rural) em direção à área urbana. Este processo aconteceu de maneira rápida e desordenada ao longo do século XX, com a grande migração da população, em busca das oportunidades oferecidas pelas cidades.

O crescimento e o desenvolvimento do Brasil impulsionaram o surgimento de diversas cidades, sobretudo com a implementação de várias indústrias, que permitiram novos empregos, atraindo a população que vivia no campo para as cidades. No entanto, esse processo não aconteceu da mesma forma em todo o país. Algumas regiões brasileiras urbanizaram-se mais do que outras em razão das políticas públicas (que incentivaram determinadas áreas e outras não). As regiões sul e sudeste destacam-se porque possuem uma concentração maior de áreas urbanas.

A região sudeste, por exemplo, por concentrar a maior parte das indústrias do país, foi a que recebeu grandes fluxos migratórios vindos da área rural, principalmente da região nordeste. Na região centro-oeste, o processo de urbanização teve como principal fator a construção de Brasília, em 1960, que atraiu milhares de trabalhadores, a maior parte deles vindos das regiões norte e nordeste. Desde o final da década de 1960 e início da década de 1970, o centro-oeste tornou-se a segunda região mais urbanizada do país.

A urbanização na região sul foi lenta até a década de 1970, em razão de suas características econômicas de predomínio da propriedade familiar e da policultura, pois um número reduzido de trabalhadores rurais acabava migrando para as áreas urbanas.

A região nordeste é a que apresenta a menor taxa de urbanização no Brasil. Essa fraca urbanização está sustentada no fato de que dessa região partiram várias correntes migratórias para o restante do país e, além disso, o pequeno desenvolvimento econômico das cidades nordestinas não era capaz de atrair a sua própria população rural.

Até a década de 60, a região norte era a segunda mais urbanizada do país. Porém, a concentração da economia do país no sudeste e o fluxo de migrantes dessa para outras regiões, fez com que o crescimento relativo da população urbana regional diminuísse.

A tabela abaixo apresenta o índice de urbanização por região com evolução dos anos de 1950, 1970 e 2000.

BRASIL: ÍNDICE DE URBANIZAÇÃO POR REGIÃO (%)

Região 1950 1970 2000

Sudeste

44,5

72,7

90,5

Centro-Oeste

24,4

48

86,7

Sul

29,5

44,3

80,9

Norte

31,5

45,1

69,9

Nordeste

26,4

41,8

69,1

Brasil

36,2

55,9

81,2

Estatísticas Históricas do Brasil: séries econômicas, demográficas e sociais de 1950 a 1988 2.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1990, p 36-7; Anuário estatístico do Brasil 2001, Rio de Janeiro: IBGE, 200, p. 2-14 e 2-15

Ao analisarmos a tabela, observamos novamente que o sudeste é a região que apresenta as maiores taxas de urbanização dos últimos anos.

O êxodo rural foi muito intenso nas décadas passadas e a migração dessas pessoas gerou um inchaço urbano em determinadas regiões.

A falta de planejamento urbano, junto com o crescimento desordenado, acarretaram em algumas consequências para esses centros urbanos, tais como: problemas de saneamento básico (como tratamento de distribuição de água e esgoto), congestionamentos no trânsito (em razão da falta de espaço nas ruas), falta de moradias, poluição ambiental, falta de áreas verdes (como praças e bosques), indústrias e residências na mesma área (ocasionando problemas ambientais e de saúde), barulho, violência e diversos outros transtornos que resultam em má qualidade de vida para a sociedade.


Crescimento desordenado: congestionamentos no trânsito


Falta de planejamento: crescimento desordenado

Também ocorreu no Brasil o planejamento urbano para a criação de algumas cidades, entre elas a capital federal, Brasília. O planejamento urbano tem como objetivo evitar os problemas que ocorrem com as cidades que se desenvolvem velozmente e não têm um acompanhamento adequado.


Brasília, capital federal, exemplo de cidade que foi planejada

Esses centros planejados possuem estudos para fluxos de automóveis (que evitam o congestionamento), bairros para moradias, distritos industriais separados das moradias, áreas verdes, entre outros pontos essenciais para proporcionar uma melhor qualidade de vida para a população que ali habita.


Cidade de Goiânia – cidade planejada

Cidades planejadas no Brasil


Salvador (Bahia) - primeira cidade planejada do país, fundada em 1549


Teresina (Piauí)  - fundada no período imperial, em 1852


Aracaju (Sergipe) - fundada em 1855


Belo Horizonte (Minas Gerais) - fundada em 1897

Continua após a publicidade


Goiânia (Goiás) - fundada em 1933


Brasília (Distrito Federal) - fundada em 1960


Palmas (Tocantins) – fundada em 1989


Curitiba (Paraná) – Inicialmente não foi planejada, entretanto Curitiba passou por um processo de reestruturação urbana, que envolveu aprimoramentos contínuos em todas as áreas, com destaque ao sistema de transporte público. As mudanças realizadas na capital paranaense são referência de desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Outros exemplos de cidades planejadas são: Camberra (Austrália), Islamabad (Paquistão).


Camberra (Austrália)


Islamabad (Paquistão)

  

Como referenciar: "Urbanização no Brasil" em Só Geografia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2019. Consultado em 20/08/2019 às 02:07. Disponível na Internet em http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaHumana/Urbanizacao/urbanizacao2.php